Você pode ser um bom Cientista de Dados sentado em seu computador. Afinal, a descrição do trabalho deste profissional envolve análise de enormes quantidades de dados a fim de encontrar diferentes insights que podem ser úteis em todos os aspectos de um negócio, incluindo marketing, logística e recursos humanos. O trabalho também inclui a limpeza de dados, pré-processamento, construção de modelos preditivos e apresentação dos resultados através de visualizações e dashboards.

Mas grandes Cientistas de Dados sabem que devem fazer mais. Eles reconhecem que há nuances e problemas de qualidade nos dados que eles não podem entender enquanto estão sentados em suas mesas. Eles reconhecem que o mundo está cheio de visões relevantes, sentimentos, sons, cheiros, gostos e texturas que ainda precisam ser digitalizados e, portanto, não estão disponíveis para aqueles que trabalham em seus computadores (por exemplo, pense nas incertezas durante uma manifestação política e o medo nos olhos de um executivo enfrentando uma ameaça inesperada). Os Cientistas de Dados sabem que devem entender o contexto, os problemas e oportunidades reais, e como suas previsões serão utilizadas.

Os grandes Cientistas de Dados sabem que a única maneira de adquirir esse conjunto de informações é ir buscá-lo. Assim, eles utilizam parte do seu tempo conversando com tomadores de decisão, andando pelo chão de fábrica, fingindo ser um cliente e solicitando atendimento, pedindo ajuda a especialistas em outras disciplinas e assim por diante. Eles aprofundam os processos de criação de dados e as complexidades dos equipamentos de medição. Eles conversam e se comunicam com as pessoas e procuram descobrir como suas recomendações serão usadas, quais são os resultados prováveis e o que pode dar errado.